Saúde no Clique » Doenças da Coluna » Cirurgia de Hérnia de Disco

Cirurgia de Hérnia de Disco

Compartilhar no Facebook

A cirurgia de hérnia de disco na coluna cervical ou lombar só é indicada quando a dor é incapacitante e não melhora com medicamentos ou ainda quando há perda de força muscular que pode dificultar a realização de tarefas do dia-a-dia.

O objetivo da cirurgia é retirar fragmentos do disco intervertebral para aliviar a compressão das raízes nervosas.

Como é Feita a Cirurgia de Hérnia de Disco

A maioria das técnicas cirúrgicas de hérnia de disco é pouco invasiva, sendo que já existem procedimentos cirúrgicos que trabalham com laser e radiofrequência, sem a necessidade de cortes ou hospitalização.

Procedimentos mais complexos como a artrodese podem ser indicados quando existe instabilidade da coluna. Neste caso, a coluna é estabilizada com hastes e parafusos metálicos.

Já a substituição do disco intervertebral por uma prótese não garante melhores resultados que os procedimentos tradicionais. É aconselhável pedir a opinião de diferentes neurocirurgiões antes de escolher a técnica cirúrgica que será realizada.

Cirurgia de Hérnia de Disco é Perigoso?

Uma complicação que pode ocorrer numa cirurgia de hérnia de disco é o extravasamento de líquido da coluna através da incisão, que pode ser tratado com medicamento e repouso, embora existam casos em que é necessária uma outra cirurgia para resolver a situação.

Outro risco é a lesão de raízes nervosas que pode comprometer movimentos e a sensibilidade.

Pós-operatório da Cirurgia de Hérnia de Disco

A recuperação da cirurgia de hérnia de disco geralmente é rápida. A maioria das técnicas permite que a pessoa retorne às suas atividades dentro de 1 a 3 dias.

No caso da cirurgia com laser ou radiofrequência, não há necessidade de hospitalização e a pessoa pode sair em poucas horas.

O pós-cirúrgico não costuma ser muito dolorido. Dor nas costas ou nas pernas é comum, sendo controlada com medicamentos.

Dormência ou formigamento na perna são sintomas frequentes e desaparecem progressivamente. É recomendado começar a caminhar aos poucos, assim que possível, evitando ficar sentado.

Há casos em que nunca ocorre um recuperação completa, permanecendo sintomas e limitações permanentes.

Veja também