Lipocavitação

A lipocavitação é um procedimento estético que consiste em eliminar as células de gordura localizada através de um aparelho de ultrassom de megafrequência, sem a necessidade de aplicações, anestesia ou cirurgia.

Como Funciona a Lipocavitação

Na lipocavitação, as células de gordura são mortas através da implosão das mesmas por cavitação, um fenômeno que libera ondas de choque e provoca danos na superfície celular.

É aplicado um gel sobre a área a ser tratada e a seguir são feitos movimentos circulares com o aparelho. As ondas de ultrassom são computadorizadas e atuam somente na camada de gordura, sem risco de queimaduras externas, internas ou ainda nos órgãos.

O procedimento é indolor e os resultados podem ser equivalentes ao de uma lipoaspiração.

Após cada sessão é recomendável fazer uma sessão de Drenagem Linfática e exercícios físicos aeróbicos para garantir que a gordura seja totalmente eliminada e não se deposite em outras partes do corpo nem aumente o colesterol.

Indicações da Lipocavitação

  • Eliminação da gordura localizada na barriga, culote, coxas, braços, papada, flancos e fundo das costas;
  • Tratamento da celulite, uma vez que a lipocavitação destrói as células de gordura;
  • Resultados mais rápidos no emagrecimento.

Lipocavitação Funciona?

A lipocavitação funciona e os resultados podem ser observados logo na primeira sessão. O tratamento pode reduzir até 3 cm na primeira sessão e cerca de 1 a 2 cm nas sessões seguintes.

Os resultados variam de pessoa para pessoa e vão depender do biotipo, metabolismo, quantidade de massa gorda, sensibilidade do indivíduo aos diferentes níveis de potência do aparelho e quantidade de áreas tratadas em simultâneo.

Quantas Sessões são Necessárias?

O número de sessões vai depender do objetivo da pessoa e da quantidade de gordura acumulada, sendo que o número mínimo de sessões indicadas por cada área é entre 6 e 10, realizadas com intervalos de pelo menos 3 dias.

Contraindicações da Lipocavitação

  • Gravidez;
  • Diabetes;
  • Doença renal, hepática e cardíaca;
  • Colesterol alto;
  • Obesidade;
  • Epilepsia;
  • DIU;
  • Infecção na área a ser tratada;
  • Hipertensão arterial;
  • Flebite;
  • Varizes no local do tratamento;
  • Paralisia;
  • Próteses, placas ou parafusos metálicos no corpo.