Pacientes terminais: como lidar com eles?

O que é um paciente terminal ?

Poderíamos definir como paciente terminal aquelas pessoas que apresentam doenças para as quais não há qualquer possibilidade de cura. Como exemplo maior poderíamos citar os pacientes portadores de câncer em fase avançada, doenças degenerativas do sistema nervoso (como a doença de Alzheimer) e afecções cardíacas (com formas graves de insuficiência cardíaca), para as quais a ciência e o conhecimento atual atingem seus limites, não podendo oferecer tratamentos curativos para estes pacientes. Ira, revolta, culpa e depressão, todas essas emoções fazem parte das experiências sentidas por esse grupo tão especial de paciente. Como aprender com esta situação? Como ajudar e dar conforto a esses pacientes?

A família do paciente terminal 

O impacto da notícia de um ente querido com doença terminal apresenta efeitos devastadores nos familiares e pessoas próximas ao paciente. Tristeza, depressão, revolta e mesmo questionamentos sobre a certeza do diagnóstico, inclusive com a busca de várias opiniões médicas diferentes, todos são vivenciados em intensidades variáveis pelas pessoas envolvidas nesta situação. O que dizer a um pai, mãe , filho esposa ou esposo quando este nos pergunta se ele não vai ficar bom ou curado, ou se poderia viver um pouco mais? A cada dia estas pessoas estão em busca de um milagre. A sensação de estar perdendo um ser humano querido a cada dia, a inevitabilidade e proximidade da morte são sentimentos que além de uma grande tristeza nos fazem muitas vezes balançar em nossa convicçôes, mesmo pessoais e religiosas. Nesta circunstâncias, o paciente sob vários aspectos volta a ser uma criança, senão pela dependência física de tarefas cotidianas consideradas banais como vestir-se, tomar banho, ir ao banheiro, tomar medicações, mas também no sentido espiritual devido à proximidade da separação dos entes queridos e mesmo o medo da morte. Como lidar no dia a dia com um paciente terminal

Paciência, dedicação e um imenso amor para com a pessoa. Estes são os principais requisitos para lidar com um paciente terminal. Mesmo muitas vezes sentido-nos angustiados, as vezes até irritados com a pessoa doente, a compreensão e afeto devem prevalecer nestas situações, perdoando ou tentando perdoar eventuais discórdias que tenham ocorrido. Este é o momento de o pai ser pai, mãe ser mãe , filho ser filho, esposo ser esposo e esposa ser esposa. E a hora de darmos o máximo de nós pra dar conforto físico e espiritual a quem tanto queremos.

Quando chega a hora...

Quando a morte chega, cessa o sofrimento físico e mesmo espiritual da pessoa querida. Para os que ficam, resta uma grande saudade. É a hora de reconstruir-se no campo pessoal, rever posições, aprender a ser mais tolerante, a ter mais paciência, ser menos apressado e ser mais atento às próprias emoções e às da pessoa que nos cercam. É ter a convicção que neste exato momento, situação semelhante está acontecendo em clínicas e hospitais em todo o nosso Mundo. Enfim, é ter a certeza de que fazemos parte de algo muito maior, que foge a nossa compreensão no momento. É podermos dizer que, apesar de tudo, de todo o sofrimento, Sua