Qual é o melhor tratamento para pé chato?

Não existe um melhor tratamento para pé chato. Alguns ortopedistas ainda aconselham tratar pés chatos com botas e palmilhas, enquanto outros recomendam a observação periódica da criança para detectar alterações na evolução normal do arco do pé.

A cirurgia para corrigir pé chato só é indicada se criança tiver muita dor e realmente apresentar uma deformidade. Porém, o tratamento cirúrgico deve ser evitado antes dos 7 anos e só deve ser realizado em último caso.

Botas e Palmilhas para Tratar Pé Chato

As botas e as palmilhas, muito usadas no passado para corrigir pés chatos, não possuem eficácia comprovada por estudos científicos.

O efeito muitas vezes atribuído a esses acessórios é na verdade o resultado do próprio crescimento da criança, que promove a formação natural e espontânea do arco plantar.

Vale lembrar que o desenvolvimento do arco do pé só começa aos 2 ou 3 anos de idade e continua até os 6 anos os mais.

Botas ortopédicas muito rígidas podem inclusive provocar atrofia muscular, sem falar no efeito psicológico negativo que traz à criança.

Já as palmilhas podem ajudar a diminuir o desgaste do calçado e melhorar o conforto, mas não são suficientes para resolver o problema do pé chato.

Quando os pés chatos precisam de tratamento?

Os pés chatos nas crianças só precisam de tratamento se houver dor constante ou deformidades bem visíveis ou progressivas.

A perda da curvatura dos pés, sobretudo aos 8 ou 9 anos de idade, deve ser avaliada por um especialista em ortopedia pediátrica.

Dicas para Prevenir Pé Chato em Crianças

  • Andar descalço, pisando normalmente ou na ponta dos pés;
  • Pular;
  • Caminhar na areia, grama ou em chão de terra batida.

Todas essas atividades ajudam a formar o arco do pé na criança e podem prevenir o pé chato.

Apesar dos exercícios físicos serem importantes para as crianças, não existem evidências de que alguma atividade física específica melhorem o desenvolvimento dos pés.

O pé chato também pode ser sinal de alguma doença, por isso é importante que o pediatra, juntamente com um ortopedista, avaliem o quadro e para detectarem a origem do problema.